Teófilo Otoni inaugura espaço de acolhimento à mulher em situação de violência doméstica

Por Assessoria de Comunicação em 3 de dezembro de 2020

Na data em que é celebrado o Dia Internacional de Eliminação à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (27/11), foi inaugurado em Teófilo Otoni um espaço provisório de acolhimento à mulher em situação de violência doméstica.

A iniciativa é fruto do esforço conjunto da Defensoria Pública, Tribunal de Justiça, Prefeitura Municipal e órgãos de segurança, que se uniram para combater a violência contra a mulher na região.

Autoridades compõem a mesa de honra

A defensora pública Lígia Olímpio de Oliveira, coordenadora da Regional Mucuri e local em Teófilo Otoni, destaca a importância do novo espaço.

 “Este é um momento ímpar no município, um momento muito importante, necessário, fundamental. As mulheres do nosso município estão sofrendo violência todos os dias e, muitas vezes, elas não saem de suas casas por não terem para onde ir”, observa Lígia.

Segundo a defensora pública, foi feito um trabalho conjunto com o executivo municipal, com o objetivo de conscientizar a população e as mulheres. “Chega. Violência não dá mais. Mulheres, vocês têm para onde ir, vocês serão acolhidas”, diz.

Lígia Olímpio explica que se uma mulher é vítima de violência doméstica, ela ou um vizinho podem acionar a Polícia Militar e, se for o caso, a mulher será retirada da casa e levada para o espaço de acolhimento provisório.

“Ela terá assistência psicológica e social no local, onde ficará por alguns dias apenas. Após esse período, terá o benefício do aluguel social”, prossegue a defensora.

Lígia Olímpio salienta que o local provisório ainda não é o adequado e que a intenção é instalar uma Casa da Mulher no município, onde “as estatísticas revelam que a violência doméstica e familiar é premente”.

Para o juiz de Direito da comarca, Emerson Chaves Mota, o espaço era uma necessidade e está previsto em lei. O magistrado afirmou que está buscando ampliar o leque de assistência para a mulher em situação de violência doméstica e familiar.

“Atuamos para que muitas que sofrem esse mal e não denunciam por falta de acolhimento se sintam seguras para buscarem a proteção que merecem”, ressalta o juiz.

O comandante do 19º Batalhão de Polícia Militar, major Muniz, conta como se dá a atuação da PMMG nos casos de violência doméstica contra a mulher. Além do atendimento imediato em situações de denúncia, há uma equipe especializada, a Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica (PPVD), que faz um trabalho de acompanhamento dos casos.

De acordo com o comandante, neste ano Teófilo Otoni registrou cerca de 870 ocorrências envolvendo violência doméstica, das quais 88 estão sendo acompanhadas.

Fonte: Ascom/DPMG, com informações do site Diário Tribuna

Compartilhar com:
Tags:

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS